Saiba como é feita a cremação dos mortos

saiba como é feito a cremaçãoUm corpo inteiro, obeso ou magro, velho ou jovem, com cabelos, roupas, ossos e vísceras em questão de segundos transforma-se em alguns resíduos. Cinzas dão lugar ao personagem que saiu da vida para retornar à natureza em forma de carbono: isto é, basicamente, o que acontece na cremação de um morto.

As temperaturas dos crematórios excedem os 1000ºC, o que é possível derreter até metais, que dirá o nosso frágil corpo nessa tradição milenar que é a cremação.

Embora não seja tão difundida no Ocidente, no Oriente essa prática é mais consagrada, dialogando com o sagrado onde a queima do cadáver costumar significar um ato de purificação, limpando o “profano” do corpo e tornando a alma liberta.

Na história, vemos a cremação muito utilizada nos grandes reinos para “limpar” a chacina depois de uma grande guerra, como faziam os gregos antigos queimando as “sobras” das batalhas. Com a chegada e forte influência da religião judaico-cristã a prática passa a ser vista como uma heresia, sendo reservada apenas como castigo aos transgressores.

Nesse ponto de vista, a justificativa era que a alma levaria certo tempo para se desvincular do corpo. Muitos espíritas, por exemplo, não admitem que o corpo seja incinerado antes de pelo menos 72 horas. Já nas religiões protestantes, não há restrições de acordo com as diretrizes, no entanto, há sempre a relutância por parte dos fiéis. Talvez devido a um paralelo imaginário com o inferno.

Felizmente, no Brasil a Constituição garante o direito à cremação, bastando para isso que a pessoa deixe esse pedido devidamente registrado em cartório – e mesmo assim, lamentavelmente, ainda depende de testemunhas e de trâmites burocráticos como liberação por parte dos médicos e nenhum empecilho causado pelo familiar responsável, ou seja, nem o direito de um morto é dado como certo.

Em termos econômicos a cremação é muito mais viável, custando na faixa de R$100 a R$150 nos crematórios públicos, por outro lado, um serviço de enterro tradicional dos mais simples não vai sair por menos de R$250,00.

O processo é rápido e não é dolorido – claro. Antes que o morto seja levado ao forno, ele passa um período em uma câmara de refrigeração que serve como uma espécie de “pausa” para fins de IML e outros empecilhos familiares que poderá ocorrer. Após, o morto, dentro de um caixão, é levado a uma temperatura de 1200ºC que transforma-o do estado sólido para o gasoso imediatamente. Depois de umas 2 horas o estado gasoso passa a se solidificar, tais restos ainda passam por um triturador e por fim, a famosa caixinha com as cinzas do morto é entregue ao responsável (tem um prazo para reclamar as cinzas).

Dizem que uma pessoa com média de 75 kg ficará reduzida a menos de 1kg de pó! – O meio ambiente agradece!

Particularmente, não tenho dúvidas quanto a essa preferência quando eu morrer – sou claustrofóbico =) – o fogo vai encarregar-se de realmente me “matar” caso tudo não passe de um engano. Embora seja raro hoje em dia, é possível encontrar notícias de pessoas que foram dadas como mortas erroneamente… Já imaginou como seria acordar preso dentro de um caixão?!

Em São Paulo, contamos com um dos maiores crematórios do mundo, localizado na Vila Alpina (zona leste), fundado em 1974 o local realiza cerca de 10 cremações por dia. (Fonte: Prefeitura de São Paulo)

Comentário(s): 45

  1. Marialva Dantas

    Quero ser cremada, não gostava da ideia, mas após muito pensar, creio que é a melhor maneira de desaparecer e não poluir. Gostaria de saber o prêço e como começar a pagar, mesmo em vida.Agradeço!

    Comentar
  2. Paulo Francisco Pedron

    Quem ja viu um corpo depois de aprox. 5 dias, todo inchado e sendo devorado por bixos (bigatos) e tendo um cheiro insuportavel, como ou mais que peixes podres, certamente vai querer para sí a cremação e depois ter suas cinzas espalhadas em algum lugar previligiado da natureza. É o meu caso que trabalhei no instituto de criminalistica, e acompanhei muitos encontros de cadaveres, e de algumas exumaçoes.

    Comentar
  3. maria carlota

    Visto os comentários, fiquei convencida que é o meio mais ecológico, prático e barato. Concordo que os caixões deveriam ser alugados, para não alimentarmos os bolsos de quem vive das dores alheias. Vou tratar da papelada logo, logo, pois ja tenho 73 anos. Boa sorte!!!

    Comentar
  4. Pilar Fernandes

    Vai fazer 3 anos que minha mãe faleceu… ela sempre dizia que queria ser cremada após a morte.. assim foi feito , respeitamos o desejo dela, acontece que até hoje não me conformo, tenho minhas duvidas… sera que as cinzas que nos foram entregue são mesmo de minha querida mãe ? não consigo deixar de pensar nisso, ouvi dizer que são cremados varios corpos de uma só vez….sempre que vou ao cemiterio fico pensando : sera que as cinzas que estão aqui é de minha mãe? ficou essa terrivel duvida …..

    Comentar
  5. elisabeth

    meu esposo desencarnou este ano e ainda guardo suas cinzas na urna com muito carinho,meu irmão foi engavetado no tumulo ,depois de uns dias fiquei triste pois aonde ficou a cabeça dele foi feito um buraco no cimento…dizem que os ladrões fazem isso pra ver se o desencarnado tem dente de ouro…meu irmão tinha dentes perfeitos….e lindos….

    Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>