Voltaire – vida, obra e muitos contos

voltaire-fotoFrançois Marie Arouet (1694-1778), mais conhecido como Voltaire, é autor de uma vasta obra filosófica, científica, histórica e literária. Temporâneo de uma época onde a Igreja Católica ainda exercia forte controle na sociedade civil, Voltaire foi um crítico do catolicismo e de outras instituições francesas que exerciam controle moral.

Entre as principais idéias Voltaire defendia a liberdade em vários âmbitos. Embora viveu em pleno período de idéias iluministas, esse filósofo não foi um defensor dogmático da razão, pelo contrário, foi um satírico desta “divindade” que foi imputada ao homem, um caráter que remonta desde o período socrático.

Na grandeza da obra de Voltaire encontramos uma insígnia que é sem dúvida seu traço mais característico: sua arguta capacidade de satirizar, ironizar e polemizar. Uma das razões pelo qual Nietzsche o admirava, chegando inclusive, a dedicar uma de suas obras a Voltaire (Humano, demasiado humano), considerava-o como um “espírito livre”. Sem dúvidas, as provocações de Voltaire e Nietzsche são traços indeléveis e inconfundíveis dentro de toda produção filosófica.

Não é muito raro, no meio religioso, encontrar pessoas que irão dizer que Voltaire é a prova da grandiosidade de Deus pois este, antes de morrer, chegou a pedir “perdão” ao “Pai-cristão” – o que não se encontra em sua obra. Voltaire foi sem dúvidas um dos mais ferrenhos críticos da Igreja e de Deus; em Exposition du livre des Instituitions physiques (apud, Romances e contos, 1959, ed. Difusão européia do livro) Voltaire diz que “Parece que somente um ser todo-poderoso terá podido fazer coisas infinitamente diferentes (…)”, constata-se que o mesmo era deísta.

Assim como Einstein, parece que para Voltaire, é na relação da própria condição ínfima do homem diante do inaudito da natureza que encontramos “deus”, o que é completamente diferente da religiosidade enquanto organização, trata-se de uma experiência pessoal e isenta de qualquer caráter dogmático.

Os contos que Voltaire escreveu são vários, entre eles, os mais conhecidos: Cândido ou o otimismo e Zadig ou o destino. Embora sejam obras de séculos atrás, considero Voltaire um autor póstumo, motivo pelo qual suas obras são bem atuais, repletas de críticas, provocações e ironias que até o homem pós-moderno ainda não foi capaz de assimilar.

O pensamento de Voltaire pode ser capaz de fazer o homem olhar a si mesmo e se sentir perdido na imensidão do cosmo, e ao mesmo tempo pode resgatá-lo; quebrar as correntes da razão dogmática do homem moderno e despertá-lo para a sua condição ínfima diante do inefável. Libertar-se de toda tradicional maquinaria de etiquetagem da Verdade no mundo pode ser a mensagem mais clara de Voltaire, e tal mensagem é passada com muito humor satírico e perspicácia.

No próximo post apresentarei como dica de leitura um dos meus preferidos contos de Voltaire, também algumas considerações que, a partir da minha leitura, surgem como relevantes, suscitando alguns traços paralelos com o pensamento de Nietzsche.

Algumas obras em ebook:

Cândido ou o otimismo | Download
Zadig ou o destino | Download

Comentário(s): 2

  1. Pingback: O “enigma” do tempo no Zadig de Voltaire | Eterno Retorno

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>