Ansiedade e Medo em Paul Tillich

O trecho abaixo é por si só explicativo, ainda, a ansiedade pode aqui ser perfeitamente compreendida também como angústia.

A mente humana é não só, como disse Calvino, uma fábrica permanente de ídolos, é também fábrica permanente de medos – a primeira visando evitar Deus, a segunda visando escapar à ansiedade; e há uma relação entre as duas. Pois olhar de frente o Deus que é na verdade Deus significa também olhar de frente a ameaça do não-ser. O “absoluto nu” (para usar uma expressão de Lutero) produz a “ansiedade nua”, porque é a extinção de qualquer auto-afirmação finita, e não um possível objeto de medo e coragem. Mas, basicamente, as tentativas de transformar ansiedade em medo são vãs. A ansiedade básica, a ansiedade de um ser finito ante a ameaça do não-ser, não pode ser eliminada. Pertence à existência mesma.

A coragem de ser. Tillich, Paul. Paz e Terra: 1967.

Comentário(s): 3

  1. Pingback: Que diferença faz se Deus não existe? - Série Apologética #02 - Blog Euaggelion

  2. Pingback: A Gruta do Lou » Blog Archive » Ansiedade e Medo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *