Arquivos da categoria: Esquizoanálise

Desarticular para criar

tudo parar para poder se mover
desarticular para criar
desconstruir para re-construir

o racionalismo, o mentalismo, o idealismo reflexivo
pelas sensações, experimentações, intensidades fluidas
as formas fechadas pelas linhas

no lugar da falta o virtual,
do ideal o devir
do poder, o fora

migrar para o fora
e banhar o corpo com fluxos
levar o pensamento a produzir
curto-circuitos, nomadizar,

devolver o mundo à multiplicidade,
ao corpo, ao desejo, à vida.

Liberações esquizoanalíticas

Orlandi e o libertar da esquizoanálise. A esquizoanálise marcada pela liberação constante de algo:

Libera-se:

O Pensamento da representação;
A diferença da identidade;
O para-senso do bom senso;
A multiplicidade do uno e do múltiplo;
O tempo de suas amarras cronológicas
O desejo da falta;
O CsO do organismo;
O inconsciente da sua reterritorialização familiar;
O acontecimento das coisas em que ele se efetua;
As línguas menores da gramática;

… e, então, o conceito se libera e se dá num surfar de idéias.

Retirado de uma potente monografia >>