O engessamento dos papéis sociais e a arte de viver

Imagine um homem de 35 anos. Todas as manhãs ele pega o carro, entra no escritório, classifica arquivos, almoça na cidade, joga na loteria, reclassifica arquivos, sai do trabalho, bebe uma cerveja, regressa à casa, encontra a mulher, beija os filhos, come um bife vendo televisão, deita-se, fornica, adormece. Quem reduz a vida de um homem a essa lamentável sequência de clichês? Um jornalista, um policial, um pesquisador, um romancista populista? De modo nenhum. É ele próprio, é o homem de que falo que se esforça em decompor o dia em uma sequência de poses escolhidas mais ou menos inconscientemente no meio de uma gama de estereótipos dominantes. Arrastado, de corpo e de consciência perdidos, numa sedução de imagens sucessivas, desvia-se do prazer autêntico para ganhar, por uma ascese sem paixão, uma alegria adulterada, excessivamente demonstrativa para ser mais do que de fachada. Os papéis assumidos um após o outro lhe proporcionam uma titilação de satisfação quando consegue modelá-los fielmente em estereótipos. A satisfação do papel bem desempanhado é diretamente proporcional à distância com que ele se afasta de si próprio, com que se nega, com que se auto-sacrifica. Que poder tem o masoquismo!

Raoul Vaneigem – A Arte de Viver para as Novas Gerações

Comentário(s): 2

  1. Pingback: Links (In)Úteis #2 | Cantinho Inútil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *