Arquivos da categoria: Poesias e Poemas

Quando ouvi o astrônomo

um poema capaz de entrar no corpo e fazer o instante de vida valer a pena

Quando ouvi o astrônomo erudito,
Quando as provas, os números foram enfileirados diante de mim,
Quando me foram mostrados os mapas e diagramas a somar, dividir e medir,
Quando, sentado, ouvia o astrônomo muito aplaudido, na sala de conferências,
Senti-me logo inexplicavelmente cansado e enfermo,
Até que me levantei e saí, parecendo sem rumo
No ar úmido e místico da noite, e repetidas vezes
Olhei em perfeito silêncio para as estrelas.
Quando ouvi o astrônomo erudito,
Quando as provas, os números foram enfileirados diante de mim,
Quando me foram mostrados os mapas e diagramas a somar, dividir e medir,
Quando, sentado, ouvia o astrônomo muito aplaudido, na sala de conferências,
Senti-me logo inexplicavelmente cansado e enfermo,
Até que me levantei e saí, parecendo sem rumo
No ar úmido e místico da noite, e repetidas vezes
Olhei em perfeito silêncio para as estrelas.

Walt Withman

Poema Bravíssimo

Fui brindado pela minha companheira de existência Margareth Bravo. Um poema, poema-bravíssimo. Uma preciosidade. Um instante de vida que vale a pena. Caixinha de amor fati que pendurei em um mural da minha sala para ir degustando aos poucos todas manhãs quando acordo. Quanta sensibilidade e força nas palavras. Sinto-me grato. Que a vida lhe proporcione bons encontros!

…e por favor minha cara colega, espalhe seus poemas por aí, lance-os como borboletas insistentes em voar, cambaleantes, sobre os cotidianos infestados pela grande peste econômica.

Nunca vi Adriel…
Nunca olhei nos seus olhos
Nunca segurei suas mãos
Nunca ouvi sua voz
Mas sabia que estava lá…
Apenas visitei sua alma
Algumas vezes poço profundo
Outras tantas abismo
Quase sempre espanto, pasmo, horror
Mas sua topologia é múltipla e flutuante
Então, vê-se prados verdejantes e úmidos
O ar está cheio de brumas e exala um perfume
Folhas esvoaçantes bailam com pirilampos
Vôos de pássaros rasantes que entram e saem em alvoroço
Lá a beleza é algo sublime sem descanso
Posso escutar os seus pensamentos
Posso entender os seus sonhos e pesadelos
Nenhuma noite estrelada é mais bela que seus medos
Ventos atravessam dissonantes um agora sonoro pleno e vazio ao mesmo tempo
Fecho os olhos e vejo, e te sei
Você deixa os mesmos rastros em que me reconheço.

Para os que não têm medo da paixão

Obrigado ao Lucas H. Silva que proporcionou esse belíssimo poema, publicando-o na postagem “Paixão enquanto força“. Belíssimo! A todos que em tempos onde dizer um eu te amo sem as devidas apresentações burguesas costuma amedrontar o outro, ainda ousam dizer sim! a paixão é uma força da qual nem os deuses escaparam.

Poema de Amor à maneira pré-socrática
Jorge Luiz Gutiérrez. Fragmentos de Ternura, Filosofia e Desterro

Neste instante
diante do brilho do sol
e diante da suave
doçura da luz
que declina sobre o cosmo,
dou-me conta
que tu és
minha água,
meu ar,
meu fogo,
minha terra.

Que és
infinita e persistente.
imperecível,
perene,
inextinguível,
pertinaz,
inesgotável.

Em ti me encontro
e me diluo.
Em ti me reúno
e me dissolvo.

E te amo
quando te moves
e quando não te moves.
Quando mudas
e quando não mudas.

Continue lendo

Warning: mysqli_num_fields() expects parameter 1 to be mysqli_result, boolean given in /home/letra012/public_html/eternoretorno.com/wp-includes/wp-db.php on line 3215
class="post-5610 post type-post status-publish format-standard hentry category-poesias-e-poemas tag-fernando-pessoa">

Dormir! Não ter desejos nem esperanças – F. Pessoa

Dormir! Não Ter desejos nem ‘speranças’
Flutua branca a única nuvem lenta
E na azul quiescência sonolenta
A deusa do não-ser tece ambas as tranças.
Maligno sopro de árdua quietude
Perene a fronte e os olhos aquecidos,
E uma floresta-sonho de ruídos
Ensombra os olhos mortos de virtude.

Ah, não ser nada conscientemente!
Prazer ou dor? Torpor o traz e alonga,
E a sombra conivente se prolonga
No chão interior, que à vida mente.

Desconheço-me. Embrenha-me futuro,
Nas veredas sombrias do que sonho.
E no ócio em que diverso me suponho,
Vejo-me errante, demorado e obscuro.

Minha vida fecha-se como um leque.
Meu pensamento seca como um vago
Ribeiro no verão . Regresso , e trago
Nas mão flores que a vida prontas seque.

Incompreendida vontade absorta
Em nada querer… Prolixo afastamento
Do escrúpulo e da vida no momento…