Um inferno de salvadores

Há muito tempo tinha conseguido uma cópia do livro “Breviário da Decomposição” de Emil Cioran, filósofo romeno que morou e escreveu boa parte das suas obras na França. Por muito tempo convivi com esse perigo guardado entre outros livros. Só agora é uma coragem me arrebata a lê-lo, ainda em pequenas doses pois o perigo de se quebrar fica à espreita. Experiência do fora, é um livro que envergonha-nos de nós mesmos!

“(…) Olhe à sua volta: por toda a parte larvas que pregam; cada instituição traduz uma missão; as prefeituras têm seu absoluto como os templos, a administração, com seus regulamentos – metafísica para uso de macacos… Todos se esforçam para remediar a vida de todos; aspiram a isso até os mendigos, inclusive os incuráveis: as calçadas do mundo e os hospitais transbordam de reformadores. A ânsia de tornar-se fonte de acontecimentos atua sobre cada um como uma desordem mental ou uma maldição intencional. A sociedade é um inferno de salvadores! O que Diógenes buscava com sua lanterna era um indiferente.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *