O que é pós-modernismo, modernidade tardia ou era do vazio

Introdução

futuro-do-planetaMuito se fala em pós-modernidade, e mais do que isso, o termo “pós-modernismo” vem se tornando um “termo-gaveta”, isto é, um termo que age como um imã, saturando-se de significados quaisquer que sejam. Tais termos são perigosos, carregam Deus e o Diabo trocando condolências em uma mesma carruagem, querem dizer o “tudo”, mas se confundem em uma cacofonia de vozes. Tudo é “pós-modernismo”, dizem. No cotidiano encontramos a face de dois gumes do termo: pós-moderno é usado tanto em sentido pejorativo como em sentido virtuoso; o sujeito pós-moderno então pode ser visto de acordo com a preferência do observador.

Não é minha intenção discutir nenhum dos dois significados, mas sim, apresentar algumas considerações sobre o conceito de pós-modernismo dentro de uma perspectiva sociológica, sobretudo, com os contornos do sociólogo Zygmunt Bauman.

O próprio termo não é um consenso dentro da sociologia. Bauman diz que Giddens caracteriza a sociedade atual como “moderna tardia”, Beck como “moderna reflexiva” entre outros. Já ele, Bauman, opta pela sociedade “pós-moderna”: “A nossa sociedade (…) como prefiro denominá-la – pós-moderna é marcada pelo descrédito, escárnio ou justa desistência de muitas ambições (…) características da era moderna.”

O importante não é então a etimologia da palavra, mas sim, termos em mente que quando falamos em “pós-modernismo” fora do senso comum, estamos falando de um período marcado por algumas transformações, momento este que marca uma linha divisória mas não fixa e nem tanto inteligível entre o que é “moderno” e “pós-moderno”.

Usamos pós-modernismo para caracterizar uma época onde visíveis mudanças ocorrem na sociedade em suas múltiplas faces: política, arte, economia, ciência, técnica, educação, relações humanas, etc. No entanto, não significa que a humanidade abandonou a modernidade, são tênues divisórias imaginárias que marcam o que é moderno e o que é pós-moderno; o pós-modernismo, em seus vários aspectos que o distingue da era moderna, carrega também a modernidade; aliás, é tão platônico quanto os períodos anteriores.

Não reinventamos uma nova moral, uma nova ética, uma nova ciência, uma nova economia, etc., um dos princípios do debate pós-modernista é a liberdade, de tal forma que ela sorri abertamente para as divergências; o efêmero, outro princípio pós-moderno, necessita do debate de opiniões, mas a ordem é não manter nenhuma ordem, nenhuma opinião, nenhum valor que seja fixo. A liberdade pós-moderna permite tudo, menos a liberdade da não-liberdade, fixamente só está o valor supremo da efemeridade das coisas, tudo apresenta-se como líquido, disforme, fluido, impossível de constância – daí o termo modernidade líquida de Bauman em contraposição à modernidade sólida do período moderno onde o mundo era criado conforme uma ordem universal.

Modernidade: o modernismo

Penso que não dá para compreender pós-modernismo sem antes jogar um pouco de luz sobre aquilo que até então foi chamado de modernidade.

A modernidade tirou Deus do centro do universo e colocou o homem, os valores deixaram de vir do plano transcendental e passaram a ser ditados pela vida terrena. A Reforma e, sobretudo, as mudanças econômicas do século XVII, o capitalismo se despedindo de suas formas pré-capitalistas, o germinar do conhecimento moderno, a saber, o cartesianismo, o humanismo, o iluminismo entre outras fontes científicas e filosóficas, dotaram o homem de força e sabedoria. Até então, ele era um frágil, errante e pecador que deveria se sujeitar ao conhecimento dado pelo teísmo, mas na modernidade é ele, homem, que assume o posto da divindade.

Deus é destronado – o homem científico matou Deus, constatou Nietzsche -, o plano divino não é negado, mas a vida terrena é separada da vida eterna, na terra reina o homem, no céu reina Deus. O homem econômico liberal com seu “super-poder” – a Razão – irá buscar criar um mundo ideal, mais ou menos previsível, determinado, organizado, lógico, racional e, principalmente, ordenado – condições essenciais para que se possa atingir a felicidade também inventada pelo homem moderno.

A sociedade moderna deveria estar sobre o controle absoluto do Estado, os instintos e a vida cotidiana deveriam ser domados pelos mecanismos estatais de modo a controlar homens e mulheres para a boa ordem da civilização. Estradas planas e bem iluminadas eram necessárias para que o capital pudesse desfilar livremente rumo ao progresso, este, o novo dogma da era moderna.

A moral, a ética e a ciência ditavam uma ordem determinista e universal, o discurso que não se enquadrava no método lógico-formal não poderia ter lugar no palco científico. A era moderna foi marcada, sobretudo, pela crença na razão e no progresso – em outros termos, pela inversão do pólo transcendental para o terreno.

Mas o século XX iria colocar em xeque o mundo do progresso e da razão. A ordem e a inteligibilidade pareciam se tornar anêmicas diante de grandes colapsos gerados pelas guerras, revoluções, estragos ambientais, atrocidades e mortes em massa e outros conflitos marcados pelo horror.

Ora, pois, a Razão começava a perder a razão, a ordem mostrava o caos, e o progresso… bem, o progresso que prometia uma viagem tranqüila à estação felicidade parecia ser a trilha para o fim do mundo. – O homem passou a questionar-se sobre aquelas virtudes quase divinas que ele tinha atribuído a si mesmo. A euforia no progresso dá lugar à incerteza no futuro – eis aqui um dos componentes essenciais das “almas pós-modernas”.

Pós-moderno: o pós-modernismo

Nesse contexto de profundas crises humanas, mudanças irão surgir nas múltiplas faces sociais e culturais. Podemos dizer que nas últimas décadas do século XX entra em cena um espectro fantasmagórico e um ar perfumado de incertezas e dúvidas: o pós-modernismo.

Há uma ruptura com o mundo ordenado da modernidade e a crença no progresso vira comicidade. Mudanças ocorrem em vários campos, as “certezas” se diluem em incertezas e a liberdade, tão cultuada, trata de dar os contornos das novas configurações econômicas, sociais, culturais, políticas, artísticas, científicas e cotidianas – e ninguém sabe dizer para onde estamos indo; a modernidade respondia com autoridade que estávamos caminhando para o progresso, mas a pós-modernidade mantém-se na caducidade, e também não está interessada em responder questões existenciais.

Nesse novo palco nada deve ser fixado, a atmosfera social é marcada pela incerteza e pela nebulosidade, e deve ser organizada de modo que as celebrações de contratos possam contemplar uma fuga: nascer com um prazo de expiração é uma virtude no mundo pós-moderno.

Homens e mulheres pós-modernos sabem que durante a viagem as aventuras fazem parte do itinerário, mas a chegada na estação de destino costuma ser marcada pelo sentimento de vazio. – O pós-modernismo busca a todo instante a intensificação das sensações e dos prazeres da felicidade, mas jamais quer conhecer a face daquilo que procura.

Nas relações humanas as identidades são marcadas pelas incertezas. Os vínculos são ditados por um jogo onde o jogador deve conquistar o maior número possível de admiradores, mas com o devido cuidado para manter uma distância que não permita criar laços sólidos. A instituição do casamento é um negócio mais com caráter de festividade do que o antigo pacto de homens e mulheres que adquiriam o alvará, perante Deus, para terem relações sexuais selados com a aprovação divina; o ar pesado do “até que a morte nos separe” é substituído pela leveza de um contrato que deve deixar muito bem claro as fronteiras que dirão os rumos de cada um quando o amor perder o prazo de validade.

Até que provem o contrário, toda teia social é passível de suspeita universal, nela estão emboscadas que podem tirar o participante do jogo, presume-se que tudo seja precário e duvidoso. A vida social é marcada por experimentos, uma vida experimental é provisória, na base de tentativas, homens e mulheres pós-modernos jogam sem saber a linha de chegada, o importante é não ser expulso do jogo e o fim deve ser eternamente adiado. O jogador jamais pode se declarar vencedor diante de tantas incertezas e da terrível idéia de que a linha de chegada é o desfiladeiro para o horror; a regra é estar realizando jogadas estratégicas de modo a ampliar cada vez mais o repertório de sensações “boas”. Não há nenhum prêmio final em jogo, mas há um calabouço da qual os perdedores são enviados e dificilmente serão readmitidos novamente; poderão, quando muito, aguardar a morte trancafiados em porões que abrigam os inválidos, miseráveis, improdutivos, errantes, loucos e um exército de ex-soldados que foram expulsos do jogo do capital – aqueles que já não podem consumir mais.

Difícil enquadrar o momento atual em um conceito, nenhum caminho está traçado para a humanidade, o discurso do progresso como uma linha reta rumo à felicidade desmanchou-se no ar. O pós-modernismo está marcado por uma atmosfera do vazio, do tédio e do completo niilismo; o niilista passivo, tal como previsto por Nietzsche, é marca fundamental dos personagens responsáveis pelo show. Nietzsche disse também que o niilismo poderia se “quebrar”, e a completa vontade de nada poderia não mais suportar a si própria, e novos sentidos poderiam ser inventados, mas por enquanto o incerto caminho da humanidade está em aberto, certo é que está bem mais para a destruição do que para a criação.

Caracterizar o pós-modernismo não significa negar a época atual em detrimento do modernismo, não é querer uma volta ao passado. Pós-modernismo e modernismo não são gladiadores a se digladiarem para ver quem é o vencedor e quem é o perdedor; são momentos, paisagens da humanidade que buscam, pretensiosamente, descrever os caminhos por onde têm andado a humanidade. Não nos cabe o julgamento, olhar para o passado e acusar o presente ou negar o passado enaltecendo o presente.

O passado, o presente e o futuro não escondem nenhum ponto arquimediano, são antes de tudo invenções nossas, cabe-nos, a partir do aqui e agora, decidirmos se queremos reafirmar a vida que até então tem sido negada por uma vida marcada pelo mundo ideal, ou – o que parece ter sido mais confortável até aqui -, vivermos no mundo do simulacro. Estamos, como nos diz Saramago, através de um dos personagens de “Ensaios sobre a cegueira”: (…) cegos, Cegos que vêem, Cegos que, vendo, não vêem.”

O que estamos fazendo de nossas vidas?” – perguntou Foucault -, o pós-modernismo ainda vai adiar qualquer tentativa de resposta, não se sabe até quando. No momento os deuses pós-modernos, o Capital e o Consumo, só aceitam oferendas marcadas pelo efêmero, pelo incerto, pela dúvida, pela liberdade e pelo eterno adiamento.

caracteristicas-pos-modernismo

Fontes bibliográficas e leituras recomendadas:

Bauman, Z. Vidas desperdiçadas.
_________ Modernidade líquida.
_________ Amor líquido.
_________ O mal-estar na pós-modernidade.
Ferreira, J. F. O que é pós-moderno.
Lipovetsky, G. A era do vazio.

Comentário(s): 18

  1. Jana

    Muito bom o texto! Parabéns! Além de ajudar a pensar “sociologicamente” o conceito, faz refletir… Reitero o pedido pelas referências do texto para citação!

    Comentar
  2. milena

    o texto é até bom mais em muitas partes achei ridícula as falas em que deus não é centro de tudo e sim os homens mais os homens só tem a inteligencia graças que deus os deu.mais fazer o que se eles acham que foi macaco!!

    Comentar
  3. Wendell San

    Olá Adriel, cara ja tinha umas certas iterpretações sobre o pós-modernismo, mas esse texto iluminou a escuridão das minhas ideias! o seu blog é muito bom, queria ter tomado conhecimento dele antes!
    um abraço!

    Comentar
  4. Adriel

    Olá Inara, obrigado pelas palavras. Maiores informações você pode encontrar na página “Sobre” deste blog ou até mesmo utilizar o formulário de contato ok. Busco, ao escrever no blog, estar suspenso dos ditames acadêmicos. Abraços.

    Comentar
  5. inara

    olá, gostei muito do artigo e do blog, tem realmente discussoes muito interessantes. achei super interessante voce colocar referencias, mostra uma preocupação com seus leitores e torna seus artigos mais confiaveis.
    a unica coisa que senti falta foi dos dados, pelo menos nome, do autor! acredito que hoje em dia as fontes de internet sao cada vez mais utilizadas no meio academico e colocar como autor ADV não gera muita credibilidade.
    mas mesmo assim, meus parabens! adorei mesmo

    Comentar
  6. Pingback: Amores despedaçados | Eterno Retorno

  7. Adriel

    @Sil Drabeski: olá, obrigado pelas suas considerações. Dei uma espiada no seu blog e guardei para olhá-lo com calma depois, a primeira impressão me agradou muito e certamente creio que tem muita coisa ali que vai me servir também ;)

    Abaixo segue meu mail e msn ok.
    adrieldutra(arroba)msn.com

    Comentar
  8. Sil Drabeski

    “um espectro fantasmagórico e um ar perfumado de incertezas e dúvidas: o pós-modernismo”. Seu texto está bem coerente, e expressa realmente as caracteristicas desse tempo, incerto, meio ao vazio, imbuído de coisas líquidas, intáteis.. Adorei o que li!
    Eu já li um livro do Zygmunt Bauman, Modernidade e Holocausto, e agora quero ler os demais! Anotei suas outras indicações!
    Estou me aventurando agora neste seu espaço e tenho encontrado muita coisa, muitos textos que me interessam!
    E sem falar que ‘eterno retorno’, é para mim, também uma palavra preferida! Posso pegar seu contato?

    Comentar
  9. Tiago Zortéa

    Cara, muito bom o texto! Parabéns! Excelente forma de escrita, crítica e articulação muito interessante sobre o conceito de pós-modernismo!

    Comentar
  10. Pingback: Religião e consumismo - os deuses nas vitrines da pós-modernidade | Eterno Retorno

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>