Religião e sentimento de culpa para Nietzsche

Epílogo:

“Esse quebrar-se a si mesmo, esse zombar da própria natureza (…), no qual as religiões deram tanta importância, é na verdade um altíssimo grau de vaidade. Toda a moral do Sermão da Montanha faz parte disso: o ser humano tem verdadeiro prazer em violentar-se com exigências exageradas, e depois endeusarem sua alma com esse Algo tirânico e exigente. Em toda moral ascética o ser humano reza para uma parte de si mesmo como um Deus,  e por isso necessariamente tem de demonizar a outra parte (…)”. – Humano, demasiado humano; Nietzsche

Uma das principais temáticas abordadas por Friedrich Nietzsche gira em torno da moral, uma das obsessões do filósofo. Contextualizada em sua análise da gênese da moral e suas implicações para as culturas, encontramos uma discussão capaz de ressoar no atual momento de euforia religiosa, sobretudo, a evangélica que vem crescendo no mundo ocidental: o sentimento de culpa, elemento tão marcante das religiões, principalmente na versão cristã.

Embora seja difícil traçar um único momento dessa análise por parte de Nietzsche, já que o mesmo está sempre retomando os temas em suas obras, podemos encontrar sua exposição sobre a origem do sentimento de culpa e suas implicações para a humanidade em “Humano, demasiado humano” e “Aurora”, obras escritas no período de 1878 a 1881.

Nesse momento Nietzsche entende a religião como uma metafísica do povo, na medida em que a mesma serve para anestesiar males que aterrorizam os homens. Se o conhecimento sobre a natureza avançar os homens passam a depender menos de causas sobrenaturais, de tal modo que, diante de uma determinada enfermidade já conhecida utilizamos um medicamento e/ou procedimentos médicos em detrimento das rezas e sacrifícios. Decorre um pouco desse raciocínio a famosa frase “Deus está morto!” que traduz o assassinato de Deus pela modernidade – não é virando ateu que se mata Deus, matamo-lo na medida em que passamos a substituir a reza pela ciência, mesmo que seja nos pequenos atos como no exemplo do medicamento. Nesse sentido, o dinossauro medieval atual, vulgo papa Bento XVI, também é um legítimo assassino de Deus.

Esse ponto de vista não significa que o a religiosidade seja destruída, apenas limita o poder dos sacerdotes e da instituição Igreja; a principal sustância, que se trata da crença em um destino futuro, permanece fortemente cristalizada no ideário religioso.

O sentimento de culpa é um recurso de forte sustentação e manutenção das religiões descendentes do judaísmo-cristão. Essa característica não é unicamente criação do cristianismo, suas raízes estão fortemente ligadas com o legado do pensamento socrático, platônico e cristão. (complemento: Nietzsche contra Sócrates >>)

Na tentativa de apontar fundamentos para esse recurso da fé cristã, Nietzsche se debruça sobre a religião da Grécia Clássica; neste momento a percepção de si mesmo não é denegrida, pelo contrário, os deuses gregos dividiam com os humanos os mesmos “defeitos” e “virtudes”, de tal forma que não era uma característica do homem ser fraco e pecador, enquanto a perfeição e poder absoluto ficavam para um deus absoluto.

Para Nietzsche o cristianismo é originalmente uma religião que encontrou solo fértil no meio de pessoas que viviam na miséria e na opressão, uma religião pobre em auto-estima. Os homens foram banhados na lama com os ideais cristãos, no entanto, apenas essa constatação não deixou Nietzsche satisfeito quanto à origem do sentimento de culpa.

Outras três causas são apontadas pelo filósofo. Uma delas é o esfacelamento da cultura romana que já demonstrava desgastes frente às invasões bárbaras e a presença de outras culturas que minavam o poder romano. Aqui o sentimento de culpa pode ter funcionado como um “excitante” ou “droga” para que os homens dessa época buscassem uma redenção divina. Neste momento batia à porta o cristianismo, oferecendo aos homens um novo encanto para a vida, uma possibilidade de converter todos os males de uma cultura envelhecida em uma redenção que cintila no futuro – a vida na eternidade.

Uma segunda causa Nietzsche vai buscar na psicologia dos homens considerados santos, mártires e ascetas. Nesses homens cresce um vigoroso sentimento religioso. Eles combatem com ímpeto o próprio corpo, os desejos, os pensamentos e os impulsos; consideram-se baixos e vulgares sendo necessário, para não perecer, estar sempre buscando a “purificação”. Porém, Nietzsche nos aponta que, embora possam parecer homens “humildes’, eles são a miséria e a glória, a fraqueza e o poder. Isso porque o homem, segundo o filósofo, é capaz de olhar para si e ver uma natureza de encantamento e ao mesmo tempo obscura, misteriosa e perigosa.

Como conseqüência e última causa, Nietzsche aponta que o “’ser humano ama algo em si, um pensamento, um desejo, um produto, mais do que outra coisa em si, que portanto ele dilacera sua natureza e sacrifica uma parte dela pela outra (…)”. Nesse sentido, o santo, o mártir e o asceta encontram o triunfo no rebaixamento que oculta uma humilhação carregada de orgulho.

O ideal tão valorizado pelas religiões cristianizadas, isto é, o denegrir a vida, o corpo e o homem, escondem no fundo a vaidade, a prepotência e um orgulho desmedido.

Certamente que o exposto são algumas considerações do pensamento de Nietzsche sobre a religião e o poderoso veneno do sentimento de culpa. Faz-se necessário, ao leitor mais interessado no assunto, buscar conhecer a análise da origem e implicações da moral, além do pensamento socrático e suas implicações para as culturas; esses elementos estão presentes no pensamento do filósofo que se debruçou sobre uma cultura que se firmou pelo “Conhecimento sem conhecimento”.
Sentimento de culpa cristão na atualidade

Um olhar mais atento na realidade atual pode nos mostrar que os prazeres e os desprazeres da vida mudaram, no entanto, a essência do sentimento de culpa, isto é, sua capacidade de mutilar a vida e a alegria do aqui-e-agora em detrimento de uma vida eterna, continuam vingando, fazendo vítimas e sepultando pessoas. Vemos isso com freqüência em nossa sociedade predominantemente religiosa: o desejo sexual reprimido retornando em forma de neuroses; a violência contra a mulher e as crianças; os sacrifícios de animais que lamentavelmente ainda são praticados como forma de redenção; a culpabilização do corpo e da vida material enquanto algozes da moral cristã, etc. – Além da terrível e brutal esterilização de pensamentos questionadores dos dogmas, implicando em autopunições danosas ao fiel que “ousar” se perguntar quanto à veracidade de seus valores. As formas que o sacrifício e a flagelação podem assumir irão variar de acordo com os graus de fé e submissão.

Referências:

NIETZSCHE, F., Humano, demasiado humano: um livro para espíritos livres. São Paulo: Companhia das letras, 2000.
_________, F., Aurora. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

Comentário(s): 8

  1. Pingback: Uma crítica à Teologia Cristã - Textos Mensagens Reflexões

    1. ManoJr

      A culpa retira a dignidade do ser humano e transfere para algo que está além do nosso alcance, um estado de perfeição. Essa é a droga mental usada pelas religiões para manterem seus fiéis que nunca são leais mas voltam aos líderes pelo sentimento avassalador da culpa. Onde não se valoriza o indivíduo não haverá valores reais apenas imaginários e a religião está fadada a sofrer com falsos fiéis sempre mendigando o perdão.

      Responder
  2. thor hate

    querem fazer com o pensamento de Nietsche a mesma coisa que fazem com a merda da bíblia. interpretar a seu bel prazer e como melhor lhes convir bando de idiotas

    Responder
  3. Pingback: O pânico de Deus no jardim do Éden | Eterno Retorno

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *